• Moradores de regiões atingidas pela mineração se reúnem para articular mudanças

    Atingidos e atingidas de várias cidades estiveram no encontro “Na contração do discurso ideológico da mineração: tragédias e insustentabilidades” Como parte do evento “Na contramão do discurso ideológico da mineração”, dia 14 de setembro, moradores de várias localidades mineiras se reuniram para discutir o atual cenário das áreas atingidas pela mineração e buscar alternativas. O encontro, organizado pelo Gabinete de Crise – Sociedade Civil (GCSC), aconteceu nas instalações do Diretório Acadêmico Alfredo Balena, na Faculdade de Medicina da UFMG. Estiveram presentes moradores das cidades de Itabira, Brumadinho, Barão de Cocais, Mariana, Belo Horizonte, entre outros. Os trabalhos foram conduzidos pela professora Daniela Campolina Vieira e pela ambientalista Carolina de Moura Campos. Pela manhã, todos e todas foram convidados a compartilhar suas experiências e angústias relacionadas à mineração em seus respectivos territórios. Ao longo da tarde, grupos de trabalhos foram compostos para discutir problemas e possibilidades de ação. Ao final, as reivindicações foram reunidas e serão fundamento para o documento “Carta dos Atingidos”, a ser divulgado em breve. Dentre as principais decisões, está a consolidação de uma rede de colaboração e integração entre as várias áreas. O objetivo é ajudar as populações atingidas no reconhecimento de suas forças para garantir as reparações necessárias e o atendimento aos direitos que possuem. No dia anterior, um seminário reuniu pesquisadores, poder público e sociedade em geral para discutir o tema. Veja detalhes, clicando aqui. O “Seminário e Encontro: Na contramão do discurso ideológico da mineração” foi realizado a partir do trabalho de diversos movimentos em conjunto com o Gabinete de Crise – Sociedade Civil. A expectativa é que novos encontros ocorram ainda este ano, a serem definidos coletivamente. Gabinete de Crise – Sociedade Civil O Gabinete de Crise Sociedade Civil (GCSC) representa uma articulação de diversos movimentos sociais, pesquisadores e ativistas políticos do campo ambiental em contraposição ao Gabinete de Estado. A organização foi criada para reivindicar o controle social das ações desenvolvidas após o crime promovido pela companhia Vale, no município de Brumadinho e em toda a bacia do Paraopeba, em 25 de janeiro de 2019, não se esquecendo do rompimento de Fundão em Mariana na bacia do Rio Doce. O GCSC denuncia que o atual modelo de mineração têm levado a repetidos crimes, ligados ao licenciamento, operação e segurança de barragens de rejeitos, em Minas Gerais e no Brasil. Conheça mais sobre o GCSC, clicando aqui. Para continuar acompanhando informações relacionadas aos territórios atingidos pela mineração no estado, siga nossa página no Facebook e pelo site https://gabinetedasociedade.org ou ainda envie seu contato para gabinetedecrisecomunicacao8@gmail.com e receba notícias periódicas do GCS.

    Voltar Data: 27/09/2019